Os efeitos da irresponsabilidade fiscal

0
17

Não se discute o resultado das eleições. Democracia é isso: garante à população sua livre escolha, que tem que ser respeitada.

Passo seguinte é apoiarmos o que consideramos certo e criticarmos aquilo que se mostra errado.

Crítica que não deve estar apoiada em ressentimentos, mas sim em fundamentos, em fatos concretos.

É nesse contexto que nos colocamos em estado de alerta e radicalmente contrários às recentes declarações do presidente eleito, sinalizando que não dará a devida importância “à tal da Responsabilidade Fiscal”, criticando inclusive o excesso de “sensibilidade do Mercado”.

Priorizar gastos sociais, reduzir ou mesmo acabar com a fome no país, são objetivos louváveis, que devem ser apoiados por todos.

A questão (complexa) que se coloca é quais os caminhos para alcançar esses objetivos. Não vemos na pauta do novo governo, por exemplo, a tão necessária Reforma Administrativa, que tem relação direta com o volume de gastos e com a qualidade desses gastos.

No entanto, as declarações sobre a responsabilidade fiscal já tiveram efeito negativo, com a alta do dólar e a queda nas Bolsas.

Alta do dólar torna mais caro as importações, gerando inflação em produtos até da Cesta Básica. Outro efeito perverso é o de causar insegurança aos investidores. Só no Saneamento precisamos de cerca de R$ 800 bilhões de investimento, que se não vierem, representam menos água e esgoto tratado para os mais pobres.

Torcemos e vamos contribuir para nosso Brasil dar certo. Para ir em frente, trilhando caminhos seguros que não repitam erros custosos do passado.

Carlos Eduardo Lima Jorge
Presidente

DEIXE UMA RESPOSTA

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.