Destaque da imprensa 01/02

0
999

Leilões de rodovias ganham nova regra contra lance ‘irresponsável’

São Paulo, 01/02/2017 – Contra lances “irresponsáveis” de empresas e consórcios, as próximas concessões de rodovias federais terão uma nova regra. O objetivo do governo é desestimular a estratégia de “aventureiros” que derrubam o valor das tarifas de pedágio para vencer os leilões e depois enfrentam dificuldades no cumprimento das obrigações, segundo matéria publicada no jornal O Valor Econômico.

Esse mecanismo já foi incluído na minuta de edital do corredor de 467 quilômetros que corta o Rio Grande do Sul, encabeçado pela BR-101 e pela BR-386. Trata-se do primeiro edital de rodovias colocado em audiência pública no âmbito do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), lançado pelo presidente Michel Temer há pouco mais de quatro meses.

De acordo com a matéria, o governo introduziu uma cláusula inovadora: quanto maior o deságio oferecido, maior também a necessidade de integralização de capital na sociedade de propósito específico (SPE) criada pelo grupo vencedor para administrar o corredor rodoviário. Na prática, o recado transmitido é que propostas com deságio são obviamente bem-vindas, mas sem os supostos exageros dos leilões de 2013.

Para ler mais sobre o assunto, clique no link abaixo:

Matéria – Valor Econômico

Programas de Doria são alavancados por doações de empresas

Reunido por três horas e meia com lideranças do setor da construção civil, o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), adicionou ontem um item na lista de doações solicitadas a empresários: a reforma de 83 albergues e a construção de unidades, segundo matéria publicada no jornal O Valor Econômico.

Em evento semelhante aos que organizava no grupo empresarial Lide – grupo por ele fundado -, para conseguir doações nas mais diferentes áreas, Doria anunciou o apoio de 52 empresas para pagar os custos das obras dos abrigos. A reforma da primeira unidade, o Complexo Prates, na região da Cracolândia, custará R$ 20 milhões. “É assim que vamos fazer, pedir ajuda para quem pode ajudar e sem nenhuma contrapartida”, disse.

Segundo o Valor, da decoração de seu gabinete até a reforma de banheiros do Parque Ibirapuera e manutenção de praças e instalação de banheiros públicos, o discurso de Doria é o mesmo: obras, serviços e equipamentos recebidos pela prefeitura são frutos de parcerias sem contrapartidas do setor privado.

Além disso, Doria usou também sua proximidade com empresários para firmar parcerias, estas sim pagas, com hospital particulares, para diminuir as filas para exames e consultas. Hospitais como HCor, Sírio Libanês e Albert Einstein, também filiados ao Lide, vão cobrar a tabela SUS para atender a população no “Corujão da Saúde”.

Para ler a matéria completa, clique no link abaixo:

Matéria – Valor Econômico

DEIXE UMA RESPOSTA

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.