Destaques da imprensa (14/12)

0
441

Construção civil quer evitar uso de FGTS para quitar dívidas

São Paulo, 14/12/2016 – O setor da construção civil procurou o governo federal para tentar barrar a possibilidade de liberação dos recursos do FGTS para os trabalhadores quitarem dívidas bancárias, segundo matéria publicada no jornal O Estado de S. Paulo. A Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) alertou que o uso de dinheiro do fundo para essa finalidade retirará recursos que poderiam ser canalizados para novos investimentos do setor, que poderiam barrar o desemprego. “É tirar emprego. Será um erro histórico”, atacou o presidente da CBIC, José Carlos Martins.

A proposta vem sendo defendida pela ala política do governo para reativar o consumo dos brasileiros.

Segundo o Estadão, o presidente da CBIC vê risco de o presidente Michel Temer cometer os mesmo erros da ex-presidente Dilma Rousseff ao tentar “tapar o sol da peneira” com medidas paliativas que acabam agravando o problema.

Para ler a matéria completa, clique no link abaixo:

Matéria – Estadão

 

Nova Lei das Licitações passa no Senado com limitações ao TCU

O plenário do Senado aprovou nesta terça-feira (13) projeto de lei que estabelece nova regulamentação para licitações e contratos da administração pública. O texto agora segue para Câmara, segundo matéria publicada no jornal A Folha de S. Paulo.

A proposta aprovada eleva a pena para fraudes em licitações para até oito anos de prisão, o dobro do máximo previsto hoje. Mas restringe a fiscalização do TCU (Tribunal de Contas da União), fazendo com que o órgão comprove tecnicamente a vantagem de parar uma obra.

De acordo com a matéria, se aprovada, a nova lei introduziria novidades, como a figura do diálogo competitivo, em que os servidores poderão negociar diretamente com a empresa os termos de um contrato.

Segundo a Folha, a avaliação do advogado Fernando Vernalha, que analisa a lei para a Apeop (Associação Paulista de Obras Públicas), a medida pode tornar as obras públicas mais caras, pois gera mais custos para quem disputa, sem retirar toda a insegurança de quem é contratado, por não reduzir o poder dos órgãos públicos de modificar ou não cumprir os contratos.

Para ler a matéria completa, clique no link abaixo:

Matéria – Folha

David Abreu – david.abreu@goassociados.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.