Destaques 30/03

0
607

Dez setores produtivos concentravam 67% da renúncia fiscal na folha

São Paulo, 30/03/2017 – Em termos de volume de recursos, a renúncia fiscal com a desoneração da folha de pagamentos é concentrada em alguns setores de atividade, segundo levantamento realizado pelo jornal Valor Econômico com base em dados divulgados ontem (29) pela Receita Federal.

De acordo com matéria publicada pelo jornal, dez ramos de atividade, entre eles transporte terrestre, produção de veículos, de máquinas e equipamentos e tecnologia da informação, tiveram renúncia de R$ 7,9 bilhões entre janeiro e novembro do ano passado, o que equivale a 67,4% do total que a Previdência arrecadou a menos por causa da desoneração da folha no período.

A renúncia estimada pela Receita até novembro do ano passado é de R$ 11 bilhões. O gasto com a compensação à Previdência, segundo dados do Tesouro, foi de R$ 18 bilhões em 2016. Desse total de R$ 11 bilhões, quase 70% ficam com apenas dez setores, a maioria deles na área de serviços. Em dois setores, obras de infraestrutura e serviços de tecnologia da informação, a desoneração continuou bastante significativa mesmo com o aumento da alíquota sobre faturamento para 4,5% no fim de 2015, em vez dos 2% cobrados anteriormente.

Para ler a matéria completa, clique no link abaixo:

Matéria – Valor Econômico

 

Doria apresenta plano tímido de metas e sem promessa de grandes obras

O prefeito João Doria (PSDB) apresentou um plano de metas tímido para cumprir até 2020, sem foco em grandes obras como corredores de ônibus ou novos hospitais. Ao todo, o tucano propôs 50 metas, o equivalente a 40% do plano da gestão anterior, com 123 objetivos – Haddad cumpriu metade do plano, segundo matéria publicada no jornal Folha de S. Paulo.

Durante a campanha, o tucano fez 118 promessas, segundo levantamento da Folha. Além de menor, o plano de Doria tem metas mais difíceis de se fiscalizar, por não dar dados numéricos. No transporte, por exemplo, não há menção a quantos quilômetros de corredores de ônibus de ônibus serão construídos

O plano de Doria também dispõe de uma espécie de ‘vacina’ para o caso de não receber repasses federais, que afetou muitas das metas de Haddad. O documento estabelece, por exemplo, uma meta com e outro sem transferências da União. A versão final do plano ficará pronta apenas 38 audiências públicas, em que a população poderá dar sugestões.

Para ler a matéria completa, clique no link abaixo:

Matéria – Folha

DEIXE UMA RESPOSTA

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.